Para a festa de cem anos de Paulo Mendes Campos, recolhemos, do acervo, uma pequena amostragem de felicitações de alguns de seus amigos. Às cartas carinhosas de Otto Lara Resende, enviadas nas décadas de 1960 e 1980, se juntam os telegramas objetivos, mas não menos afetuosos, do editor José Olympio e do psicanalista, também seu amigo de longa data, Hélio Pellegrino.

28 de fevereiro de 1963

Meu abraço no seu aniversário

José Olympio

Lisboa, 28 de fevereiro de 1969

Paulusca,
Seu aniversário foi marcado aqui em Lisboa com um pavoroso terremoto, que, por ora, ainda não destruiu a cidade. No próximo ano, deixe por menos… Passamos uns momentos de pânico, numa experiência que não deixa […]

A década de 1980 marca o nascimento da banda Legião Urbana que, nesta carta de Renato Russo, ainda não conhecia a fama. Ao fotógrafo Maurício Valladares, o músico – tomado de boas expectativas – dá notícias do contrato a ser assinado com a EMI, empresa fonográfica que lançaria definitivamente a banda em 1985.

[Dezembro, 1983]

Maurício,

Mal tive tempo de falar com você, mas é tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo – tantas decisões. Este final de ano foi fogo. Mas, adivinha só, graças aos fabulosos Paralamas [do Sucesso] o pessoal da EMI vai mesmo sign us up God only knows o que vai acontecer depois disso. Joy Division […]

Em 1946, o escritor mineiro João Guimarães Rosa lançava Sagarana, livro de contos que introduziu a temática regionalista universalista, pela qual se notabilizaria. A chegada ao hibridismo entre saga, radical germânico que significa lenda, e rana, palavra de origem tupi que expressa semelhança, levou tempo. A primeira versão da obra data de 1938, quando o escritor, sob o pseudônimo de Viator, inscreveu o livro então intitulado Contos no concurso Humberto de Campos, promovido pela livraria José Olympio. Desbancado por Maria Perigosa, de Luís Jardim, o livro terminou na segunda colocação. Contudo, as doze histórias ambientadas no sertão de Minas Gerais deram corpo a um clássico da literatura brasileira. Em carta ao jornalista João Condé, autor da coluna Arquivos implacáveis, Rosa explicou detalhadamente o processo criativo de Sagarana.

[Sem data]

Prezado João Condé,

Exigiu você que eu escrevesse, manu propria, nos espaços brancos deste seu exemplar de Sagarana, uma explicação, uma confissão, uma conversa, a mais extensa, possível — o imposto João Condé para escritores, enfim. Ora, nem o assunto é simples, nem sei eu bem o que contar. Mirrado pé de couve, seja, o […]

Em 1950, a escritora cearense Rachel de Queiroz publicou nas páginas de O Cruzeiro quarenta capítulos de O galo de ouro, romance que seria editado em livro apenas em 1985. Único romance da escritora ambientado fora do Ceará, O galo de ouro teve sucesso entre o público leitor da época, revelando o cotidiano da Ilha do Governador, bairro da zona norte do Rio de Janeiro. Nesta carta, o poeta Carlos Drummond de Andrade reage à trama, saudando o estilo realista adotado pela autora.

Rio [de janeiro], 8 de dezembro de 1985

Querida Rachel:

Não quero terminar o ano sem limpar-me de um pecado de omissão cometido contra O galo de ouro. O volume ficou perdido numa pilha de outros que se acumulava a um canto do escritório – esse escritório mal organizado de um sujeito que se afirma ser organizadíssimo – e só há pouco o […]

Após ter o mandato de deputado federal cassado pelo AI-5, em 1968, o jornalista e político carioca Márcio Moreira Alves exilou-se no Chile, onde viveu durante dois anos. A saudade do Brasil e, principalmente, dos amigos está refletida nesta carta, enviada a Rubem Braga. Além de lembrar a amizade com o cronista Paulo Mendes Campos, Moreira Alves documenta as paisagens chilenas, com descrições típicas do realismo mágico latino-americano.

Rubem velho,

Achei que a única lembrança digna de quem já esvaziou oceanos de garrafas era um navio aprisionado. O Neruda tenta convencer-nos que esses navios são feitos à noite, por pequenos duendes carpinteiros. A verdade é menos mágica. Abre-se a garrafa com uma faca de diamante, coloca-se dentro o navio e fecha-se tudo com […]