De 1967 a 1969, Otto Lara Resende assumiu a função de adido cultural na Embaixada do Brasil em Portugal, onde recebeu esta carta do amigo Millôr Fernandes.

Rio [de Janeiro], 16 de dezembro de 1967

Otto, meu caro, a situação que você me descreve é calamitosa: eu sou popular em Portugal! Você vê que não tem jeito, não; a gente acaba tendo o castigo que merece. Eu, por exemplo, que me venho furtando à popularidade (não por virtude, mas por timidez que, pouco a pouco, vai-se tornando doentia), acabo de […]

Contemporâneo de Lygia Fagundes Telles e 21 anos mais velho que ela, Drummond pôde acompanhar a trajetória de uma das maiores contistas da literatura brasileira e tecer considerações sobre a obra da amiga. É o que faz nesta carta em que comenta os contos de O jardim selvagem, publicado no ano anterior.

Rio de Janeiro, 28 [de] janeiro [de] 1966

Lygia querida,

Sabe que ganhei de Natal uma gravata bacaníssima, cuja está no armário esperando para ser usada numa reunião à altura? E que me de­ram também um pratinho conimbrense muito do gracioso, para guardar pe­quenas coisas importantes do equipamento de um senhor supostamente ele­gante? E que além desses dois mimos me regalaram com um […]

Entre 1957 e 1959, Otto Lara Resende serviu como adido cultural na embaixada do Brasil em Bruxelas. Durante a temporada belga (além da lisboeta, nos anos 1960, pelo mesmo motivo), reclamava da falta de resposta dos amigos Hélio Pellegrino, Fernando Sabino e Paulo Mendes Campos. Nesta carta/crônica publicada na revista Manchete, o último se dirige ao amigo.

Meu caro Otto,

Sei que você está de malas prontas, depois de dois anos e meio na Europa, para retornar ao Brasil, e assim eu não poderia deixar de adver­ti-lo nesta carta. As coisas aqui em nosso país mudaram muito e de repente; o fito desta é poupar-lhe um cho­que que até poderia desandar em […]

Mutuamente magoados por um desentendimento que ameaçava a amizade de muitos anos, alimentada por meio de mais de trezentas cartas em que trataram sobretudo de literatura e história, Francisco Iglésias e Otto Lara Resende buscam esclarecer o episódio que desencadeara a questão na troca de missivas que se reproduz aqui. Esta é a resposta de Otto à carta de Iglésias escrita em 18 de fevereiro. Os dois superariam por completo o problema.

Bruxelas, 21 de fevereiro de 1958

Iglésias,

Recebi hoje de manhã a sua carta. Afinal, por que me zanguei tanto com você? Porque você veio a Paris e não se lembrou sequer de me avisar onde estava, em que dia chegava etc.[1] Senti-me frustrado e perdemos uma boa oportunidade para nos encontrarmos e batermos um papo. Admito que minha […]

Amigos desde a juventude em Belo Horizonte, Otto e Iglésias trataram sobretudo de literatura ou história nas mais de trezentas cartas que trocaram ao longo da vida. Esta que se reproduz aqui dá lugar ao simplesmente humano, e evidencia um desentendimento causado mais pelo bem-querer do que por qualquer outro sentimento – é o que prova a resposta de Otto, escrita no dia 21 de fevereiro de 1958. Os dois superariam por completo o problema.

Veneza, 19 de fevereiro de 1958

Otto,

Acabo de receber sua carta e apresso-me em dar-lhe resposta. Não vou dar maiores explicações, que não é preciso nem vale a pena. Você diz que eu em minha carta de Belo Horizonte dizia apenas que vinha pelo Charles Tellier, mais nada. Pois pensava ter escrito também que era para você escrever para o […]