Reprovado em geometria ao final do ano de 1862 na Faculdade de Direito do Recife, Castro Alves escreve sobre seu desânimo ao amigo Marcolino. Depois, mergulharia na vida cultural da cidade, destacando-se nas atividades estudantis, literárias e, sobretudo, nas manifestações abolicionistas. Tentaria o curso jurídico novamente em 1868, em São Paulo, sem sucesso.

Recife, 16 de janeiro de 1863

Meu Marcolino,

Desejo que tenhas passado bem com tua excelentíssima família.

Depois de um mês e tanto de demora (no que devias estranhar-me) vou escrever-te. Mas não po­des imaginar a razão. É que eu havia perdido a tua carta e não sabia a quem fazer a adresse, de sorte que contra a minha vontade era […]

No dia 24 de julho de 1859, um barco francês que vinha de Argel desembarcou em Fortaleza, no Ceará, trazendo catorze camelos. A ideia de substituir bois pelos exóticos animais foi do barão de Capanema e do poeta Gonçalves Dias, integrantes da Comissão Científica de Exploração, patrocinada por dom Pedro II e depois, por seu insucesso e desperdício de gastos, conhecida como Comissão das Borboletas. A substituição, ridicularizada por ter provocado a morte de um dos animais, gerou polêmica, como mostra esta carta de Gonçalves Dias ao sogro, a quem trata por pai. O poeta integrou a comitiva na condição de etnógrafo, conforme se lê em artigo da Brasiliana Iconográfica

Ceará, 20 de abril de 1859

Meu bom pai e amigo,

Escrevi-lhe por este paquete, mas com data bem atrasada porque as mandei lançar no correio na véspera da minha partida para Aratanha, onde fui agradecer à família Costa o obséquio que por nossa conta prestou ao pobre Assis. Agora, isto é, neste mesmo momento, recebo a sua de 6 de […]

Gonçalves Dias permaneceu na Europa, em missão oficial do governo brasileiro para estudos e pesquisa, de 1854 a 1858. Era dom Pedro II quem patrocinava os projetos, especialmente aqueles de documentos relativos à história do Brasil, no país e no estrangeiro, além de reunir, no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) um grupo de intelectuais dinâmicos. Em 1856, o poeta viajou para a Alemanha e, indo a Leipzig, em 1857, entra em contato com o livreiro-editor Brockhaus, que editará, no mesmo ano, três livros do poeta: Cantos, Os Timbiras e o Dicionário da língua tupi, idioma que o imperador chegou a estudar.

Dresden, 4 de março de 1857

Meu senhor,

A bondade suma de vossa majestade, dignando-se permitir-me que alguma vez ouse dirigir minhas cartas a vossa majestade, faz com que eu abuse dessa tão honrosa, quanto, na minha humildade o confesso, pouco merecida dis­tinção.

Demorei-me em Dresden estes dois meses para me familiarizar com a língua alemã, e também porque na proximidade […]

Gonçalves Dias permaneceu na Europa, em missão oficial do governo brasileiro para estudos e pesquisa, de 1854 a 1858. Era dom Pedro II quem patrocinava projetos, especialmente os relativos a documentos relevantes para a história do Brasil, no país e no estrangeiro, além de reunir, no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) um grupo de intelectuais ativos. Em 1856, o poeta viajou para a Alemanha e, indo a Leipzig, em 1857, entrou em contato com o livreiro-editor Brockhaus, que editará, no mesmo ano, três livros seus: Cantos, Os Timbiras e o Dicionário da língua tupi, idioma que o imperador também chegou a estudar.

Dresden, 4 de janeiro de 1857

Meu senhor,

Com a entrada do ano que agora começa é do meu dever levar à augusta presença de vossa majestade os sinceros votos que faço pela prosperidade da família imperial, assim como pela continuação do feliz reinado de vossa majestade.

Este dever que será sempre sagrado para mim confunde-se em parte com o reconhecimento […]

Em missão oficial de estudos e pesquisa para a qual foi comissionado pela Secretaria do Império, Gonçalves Dias permaneceu na Europa de julho de 1854 a 1858. Sua única filha, Joanna, nasceu em Paris, em 20 de novembro de 1854, e morreu, de pneumonia, em 24 de agosto de 1856, no Rio, para onde voltara com a mãe em busca de melhor clima para sua saúde. Da Europa, quando soube da morte da filha, o poeta escreve à mulher.

Paris, 15 de outubro de 1856

Olímpia,

Muito tenho para lhe escrever, minha Olímpia, e mais depois da perda que ambos acabamos de sofrer; nisso acharia eu uma triste consolação, que debalde se procura entre pessoas indiferentes.

Depois de tantos cuidados, quando tinha todas as esperanças de que a nossa pobre filha vingaria, quando todas as cartas que recebia mais me […]