Ana Cristina Cesar tinha 17 anos, estudava na Inglaterra e alimentava um namoro à distância com Luiz Augusto Ramalho, exilado político na Alemanha. Do amor impossível e não realizado, ficaram as cartas que, doadas ao IMS por Luiz, figuram agora no livro Amor mais que maiúsculo, publicado pela Cia das Letras. O material manuscrito está digitalizado e disponível para pesquisa, e esta iniciativa faz parte das comemorações pelos 70 anos da poeta Ana C.

27 de outubro de 1969

Fico olhando pras tuas fotografias: uma de você cobrindo o rosto sobre a pedra, junto às gentes, irresistivelmente de calção azul e prêto; uma de você entre um discurso, Pedra Sonora abaixo, dizendo NÃO TIRA, NÃO BATE; e eu tirei, eu bati, e não me arrependo, mas me deito com uma contorção – LUIZ, LUIZ, […]

Para a festa de cem anos de Paulo Mendes Campos, recolhemos, do acervo, uma pequena amostragem de felicitações de alguns de seus amigos. Às cartas carinhosas de Otto Lara Resende, enviadas nas décadas de 1960 e 1980, se juntam os telegramas objetivos, mas não menos afetuosos, do editor José Olympio e do psicanalista, também seu amigo de longa data, Hélio Pellegrino.

28 de fevereiro de 1963

Meu abraço no seu aniversário

José Olympio

Lisboa, 28 de fevereiro de 1969

Paulusca,
Seu aniversário foi marcado aqui em Lisboa com um pavoroso terremoto, que, por ora, ainda não destruiu a cidade. No próximo ano, deixe por menos… Passamos uns momentos de pânico, numa experiência que não deixa […]

A década de 1980 marca o nascimento da banda Legião Urbana que, nesta carta de Renato Russo, ainda não conhecia a fama. Ao fotógrafo Maurício Valladares, o músico – tomado de boas expectativas – dá notícias do contrato a ser assinado com a EMI, empresa fonográfica que lançaria definitivamente a banda em 1985.

[Dezembro, 1983]

Maurício,

Mal tive tempo de falar com você, mas é tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo – tantas decisões. Este final de ano foi fogo. Mas, adivinha só, graças aos fabulosos Paralamas [do Sucesso] o pessoal da EMI vai mesmo sign us up God only knows o que vai acontecer depois disso. Joy Division […]

De 1969 a 1973, enquanto esteve como preso político da ditadura militar, o ainda jovem Frei Betto escreveu uma série de cartas que foram organizadas e publicadas em volume único. Feliz por receber um dos exemplares e por, finalmente, ter notícias sobre a liberdade do frade, o amigo Erico Verissimo atualiza-o das desilusões aos planos: está aqui anunciado o processo da segunda parte de Solo de clarineta, que o autor gaúcho não chegaria a ver publicado.

Porto Alegre, 23 de setembro de 1974

Meu caro Frei Betto:

Foi com grande alegria que recebi suas Cartas (1972), que estou lendo aos poucos com maior prazer e emoção. Havia muito que andava ansioso por notícias suas. Nunca fiquei sabendo se recebeu minha segunda remessa de livros, que dirigi em seu nome ao presídio. Creio que foram dois pacotes, num total […]

No dia seguinte à morte de Vladimir Herzog, diretor de jornalismo da TV Cultura, assassinado nos porões do DOI-CODI, os estudantes rapidamente se organizaram para enviar esta carta aos jornalistas brasileiros. O movimento era uma necessária reação às violências e arbitrariedades da ditadura militar que, em 1975, atingia um nível agudo com sequestros, prisões e desaparecimentos. A convocatória parece ter surtido efeito: o Sindicato dos Jornalistas, junto com diversos movimentos estudantis, organizaram um ato ecumênico que reuniu 8.000 pessoas na Catedral da Sé em memória de Herzog.

[26 de outubro de 1976]

Aos jornalistas

Nos últimos dias foram presos em São Paulo e no resto do país dezenas de pessoas. As prisões atingiram indiscriminadamente estudantes, profissionais liberais, professores, sindicalistas, operários e membros do partido reconhecido pelo Governo, o MDB. Entre eles, 10 jornalistas.

Essas prisões tiveram todas as mesmas características: o sequestro, a incomunicabilidade. As pessoas foram […]