Ana Cristina Cesar tinha 17 anos, estudava na Inglaterra e alimentava um namoro à distância com Luiz Augusto Ramalho, exilado político na Alemanha. Do amor impossível e não realizado, ficaram as cartas que, doadas ao IMS por Luiz, figuram agora no livro Amor mais que maiúsculo, publicado pela Cia das Letras. O material manuscrito está digitalizado e disponível para pesquisa, e esta iniciativa faz parte das comemorações pelos 70 anos da poeta Ana C.

27 de outubro de 1969

Fico olhando pras tuas fotografias: uma de você cobrindo o rosto sobre a pedra, junto às gentes, irresistivelmente de calção azul e prêto; uma de você entre um discurso, Pedra…

Em 1831, em meio a forte crise política, dom Pedro I abdicou em favor de Pedro de Alcântara, então com seis anos de idade, filho de seu primeiro casamento com dona Leopoldina. Foi obrigado a deixar o Brasil com a segunda mulher, dona Amélia de Leuchtenberg, e, na madrugada de 7 de abril daquele ano, noite da partida, ela, que estava com 19 anos e amava os enteados, deixou esta carta ao menino e futuro imperador dom Pedro II, como se pode ouvir na leitura em vídeo ao final da carta.

Rio de Janeiro, [abril de 1831]

…de formosura, não me pertences senão pelo amor que dediquei a teu augusto pai. Apenas sou tua madrasta, embora te queira como se fosses o sangue do meu sangue. Um…

Luís Martins publicara em O Estado de S. Paulo crônica escrita em Paris, na qual revela encantamento com a cantora Suzy Solidor, homenageada na Maison de l’Amérique Latine. Esta carta revela que o texto de Martins despertou ciúmes em sua mulher, a pintora Tarsila do Amaral, que ficara em São Paulo.

São Paulo, 20 de dezembro de 1950

…concordou, pedindo que animássemos o museu, que não deixássemos o interesse morrer. O João Leite me trouxe para casa às duas da manhã. Arnaldo e Raquel [Pedroso d’Horta] e Augusto

Assim como muitos de sua geração, Paulo Mendes Campos deixou seu estado natal, Minas Gerais, para se fixar no Rio de Janeiro. Em meados de 1945, sob o impacto da nova cidade, ele escreveu esta carta ao amigo que ficara em Belo Horizonte. Os dois, somados a Hélio Pellegrino e Fernando Sabino, comporiam o grupo que Otto batizou de “Os quatro cavaleiros de um íntimo apocalipse”.

[Rio de Janeiro, agosto de 1945]

…cabelos da menina à luz da fresta? Não sei, não sou Augusto, não sei nada, e apenas quisera, mas o mundo não se desvenda como um palco de Deus, adeus….

Vinte dias depois de Mario Quintana ter completado sessenta anos, Paulo Mendes Campos o homenageou com esta carta, publicada na revista Manchete de 20 de agosto de 1966.

…Quintana dedicado a Augusto Meyer e publicado em Canções (1946). Por ocasião do lançamento desse livro e dos quarenta anos do poeta, Cecília Meireles dedica-lhe o poema “Quintanares”. Manuel Bandeira…