A atuação de Decio de Almeida Prado na coluna de crítica teatral em O Estado de S. Paulo mudou a feição do gênero, mostrou-se fundamental para a formação de um novo tipo de público, além de ter sido respeitada por toda uma geração de profissionais no país, entre os quais o ator Gianfrancesco Guarnieri e Cecília Thompson, jornalista e atriz com quem foi casado. Decio reuniu alguns de seus textos em Teatro em progresso, cujas críticas às peças de Guarnieri motivaram esta carta de Cecília em retrospectiva de um período importante para o teatro brasileiro.

São Paulo, 10 de dezembro de 1972

…profissional) e receba o abraço amigo da Cecília Thompson Arquivo Decio de Almeida Prado/ Acervo IMS. [1] N.S.: A peça Eles não usam black-tie foi escrita em 1958 por Gianfrancesco…

Os 80 anos de nascimento de Manuel Bandeira foram largamente comemorados em todo o país. Decio de Almeida Prado, que, 1966, era diretor do “Suplemento Literário” de O Estado de S. Paulo, cargo que exerceu de 1956 a 1967, quis homenagear o Poeta de Pasárgada com um poema que encomendou a outro poeta pernambucano: João Cabral de Melo Neto. Mas o autor de “Morte e vida severina” explica, nesta carta, o porquê de não poder aceitar a tarefa.

Berna, 25 de março de 1966

…com a idade, vai esclerosando os colaboradores mais vivos do princípio. Um grande abraço do amigo e admirador João Cabral de Melo Arquivo Decio de Almeida Prado/ Acervo IMS. [1]…

Colaborador da revista Clima e fundador de Grupo Universitário de Teatro (GUT) na década de 1940, Decio de Almeida Prado começava aí sua trajetória de homem dedicado ao teatro e à crítica teatral. Estava inteiramente impregnado da arte dramática quando escreveu a Cacilda Becker esta carta em que observa o momento de modernização do teatro e destaca a importância da personalidade do ator, que, para ele, se sobrepõe à técnica, por melhor que seja.

[São Paulo, janeiro de 1949]

…eternas perdem em serem repetidas. Decio de Almeida Prado. Seres, coisas, lugares: do teatro ao futebol. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, pp. 77-80. [1] N.S.: Sara Bernhardt (1844-1923), atriz…

Esta carta do jornalista, jurista e poeta Luiz Gama é resposta ao pedido que lhe fizera o escritor Lúcio de Mendonça para que lhe enviasse informações sobre os fatos dramáticos de sua vida de filho de negra, africana livre, e pai de origem portuguesa. A experiência de vida aqui relatada transformou-o num dos maiores abolicionistas brasileiros: “exauria-se no próprio ardor”, como disse Raul Pompeia no seu enterro. 

São Paulo, 25 de julho de 1880

…senhor Cardoso veio morar, como hóspede, para estudar humanidades, tendo deixado a cidade de Campinas, onde morava, o menino Antônio Rodrigues do Prado Júnior, hoje doutor em direito, ex- magistrado…

Em 1881, a educadora alemã Ina von Binzer veio para o Brasil contratada por uma família de fazendeiro e senhor de escravos do Estado do Rio de Janeiro. Depois, ela assumiu a educação dos filhos do doutor Martinico Prado, em São Paulo. As crianças tinham nomes romanos: Caio, Plínio, Lavínia, Cordélia e Clélia, inspiradores de Os meus romanos, romance epistolar que reúne as cartas escritas por Ina a uma amiga, na Alemanha.

São Francisco [Rio de Janeiro], 14 de agosto de 1881

Minha Grete do coração, Neste país, os pretos representam o papel principal; acho que no fundo são mais senhores do que escravos dos brasileiros. Todo trabalho é realizado pelos pretos,…