A vida é um bocejar infinito

De: Álvares de Azevedo Para: Maria Luísa Silveira da Mota

Em 1848, o poeta paulistano Álvares de Azevedo deixa o Rio de Janeiro, onde morava sua família, e retorna à cidade de nascimento para concluir os estudos na tradicional Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Aos 17 anos, o jovem não demonstra entusiasmo ao chegar à capital, que, naqueles tempos, era habitada por pouco menos de 15 mil pessoas. Em carta à sua mãe, Maria Luísa Silveira da Mota Azevedo, o autor de Lira dos vinte anos (1853) traça um perfil diferente da metrópole que conhecemos hoje.

São Paulo, 12 junho de 1849

…por hoje, muitas. lembranças a todos – a Exma. Sra. Nhanhã, a Marianinha, Quinquins[2] etc. etc. e lance sua bênção sobre Seu filho do coração. Maneco. Por aqui não há…

Na década de 1970, o bibliófilo e advogado Plínio Doyle, com apoio de vários autores de literatura brasileira, fundou o Arquivo-Museu de Literatura Brasileira, na Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro. No mesmo período, a escritora Lygia Fagundes Telles também projetava um museu literário, com sede em São Paulo, com o apoio do Centro Federal de Cultura, cujo projeto foi abandonado em 1977. Uma notícia publicada na mídia confundiu as instituições de guarda e ativou em Doyle sentimentos controversos, entre irônicos e solidários.

Rio de Janeiro, 24 de agosto de 1975

…doações para o seu arquivo-museu, em nome de P.D. 1) Foto de 4 acadêmicos – José Américo de Almeida, Afonso Arinos, Peregrino Junior e Candido Mota Filho, feita em minha…

No Dossiê Mamãe, Coragem!, publicamos trechos de três cartas de Torquato Neto que dialogam com as dificuldades do trabalho artístico no Brasil. Na primeira, destinada ao artista plástico Hélio Oiticica, o poeta descreve as “transas” para o lançamento da Navilouca (1974), revista em número único idealizada ao lado de Waly Salomão. Na mesma carta, manifesta o seu rompimento com Glauber Rocha e o Cinema Novo. Já na segunda missiva, para o mesmo destinatário, Torquato comenta sobre uma viagem a Teresina, sua cidade-natal, eternizada nos versos da canção “Mamãe, coragem”. A carta revela que o autor encontrava em Teresina a ociosidade necessária ao fazer literário. A trinca epistolar se completa com a carta ao jornalista Almir Muniz em que Torquato se opõe à possibilidade de greve no jornal Última Hora. O Dossiê Mamãe, Coragem! traz a ambiência dos anos 1970 com as publicações de revistas marginais, como O Verbo Encantado, Presença e Flor do Mal, e afirma a ideia de um artista que desafinava o coro dos contentes.

…Bom, meu filho, beijos e abraços. Show de Gil e Gal foi ótimo, Caetano (machão, Hélio Oiticica, eu sei, ora) está em Salvador curtindo e vai ficando. Gil deve chegar…

…vazio das letras “a” e “o” do jornal posto à sua frente. Lucien Ginsburg nasceu em Paris no ano de 1928. Filho de um pianista e uma mezzo-soprano, Lulu teve…

De 1969 a 1973, enquanto esteve como preso político da ditadura militar, o ainda jovem Frei Betto escreveu uma série de cartas que foram organizadas e publicadas em volume único. Feliz por receber um dos exemplares e por, finalmente, ter notícias sobre a liberdade do frade, o amigo Erico Verissimo atualiza-o das desilusões aos planos: está aqui anunciado o processo da segunda parte de Solo de clarineta, que o autor gaúcho não chegaria a ver publicado.

Porto Alegre, 23 de setembro de 1974

…lado, meu filho Luís Fernando, que é excelente cronista e caricaturista, tem lá os seus colegas e amigos que de vez em quando organizam aqui em casa os seus jantares…